Rio azul

01 agosto 2005

Leitura

«Quando no pinhal começavam a ler livros, estendidas nos cobertores de listas ou de quadrados, ampliava-se o silêncio das árvores, das outras plantas e os insectos redobravam o permanente silvo – as cigarras.
O chão estava muitas vezes seco e duro e as plantas amoleciam ainda verdes e molhadas na manhã. Liam umas vezes com muito entusiasmo e outras vezes com um grande tédio, como se cumprissem um destino marcado por alguém. Liam como um dever sagrado muitas vezes sem compreender como se perdiam as guerras, em que momento começava o grande amor e a idade da personagem principal.»

(Eduarda Dionísio)
Retrato de um amigo enquanto falo.

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home