Rio azul

25 abril 2007

Façam viver a memória (1)

Prisão de Peniche. Foto do autor

Prisão de Peniche

Livre pensamento

Por teu livre pensamento
Foram-te longe encerrar
Tão longe que o meu lamento
Não te consegue alcançar
E apenas ouves o vento
E apenas ouves o mar

Levaram-te a meio da noite
A treva tudo cobria
Foi de noite numa noite
De todas a mais sombria
Foi de noite, foi de noite
E nunca mais se fez dia.

Ai! Dessa noite o veneno
Persiste em me envenenar
Oiço apenas o silêncio
Que ficou em teu lugar

E ao menos ouves o vento
E ao menos ouves o mar.

David Mourão-Ferreira

01 abril 2007

Primavera